Embaixador de Ecoturismo do Brasil visita Vila do Artesão para incluí-la no roteiro turístico nacional de interiorização

Com o objetivo de levantar dados sobre rotas turísticas no interior do estado da Paraíba e entender melhor as ferramentas disponíveis para criar um roteiro nacional de interiorização e viabilizá-lo para o exterior, o embaixador de Ecoturismo do Brasil, Richard Rasmussen visitou à Vila do Artesão, na tarde desta terça-feira (13), para conhecer mais de perto o que e como é possível incluir o local no Projeto que viabilizará esse roteiro turístico de interiorização para o Brasil e também para o exterior.imagemConforme afirmou Richard Rasmussen após levantar todos os dados das ferramentas disponíveis no interior do estado da Paraíba, ele fará um relatório detalhado sobre os roteiros turísticos que podem ser viabilizados como atrativos e entrega-lo para a Empresa Brasileira de Turismo (Embratur). Em seguida, técnicos da Embratur analisarão esses locais e devem ser incluídos no programa de incentivo ao ecoturismo no Brasil.imagemRichard Rasmussen assegurou que a Embratur será a responsável em levar esses destinos para fora do país, uma vez que a pretensão é trabalhar com o público internacional e efetivar a divulgação desses roteiros para o exterior, tornando-os factíveis e reais. “Nossa intenção é preparar e promover das rotas turísticas estratégicas no interior dos estados brasileiros. Não deixando de lado o litoral e as grandes capitais, mas precisamos criar oportunidades para o interior”, destacou Richard.imagemO embaixador revelou que através do seu conhecimento dos interiores dos estados brasileiros, foi convidado pelo presidente Jair Messias Bolsonaro e aceitou o desafio para transformar em realidade suas experiências. “Uma coisa sou eu, Richard conhecer, outra é poder transformar meu conhecimento em realidade e na prática mostrar a outras pessoas, nossas riquezas naturais existentes em todo o interior brasileiro”, pontuou Richard.imagemRichard afirmou que inicialmente estará visitando Campina Grande, Sousa, Ingá e Cabaceiras, mas posteriormente outras cidades também serão visitadas. Ele destacou a infraestrutura hoteleira de Campina Grande e afirmou que é rota obrigatória a qualquer turista, principalmente no período junino. “Queremos trabalhar o turismo paleontológico e arqueológico, então escolhemos inicialmente estas cidades e Campina Grande dispõe de toda a infraestrutura que precisamos. Campina já está preparada, além de ser passagem para vários outros locais próximos a ela”, disse.
Fonte: Codecom
COMPARTILHE