São João de Campina Grande

O ‘Maior São João do Mundo’ é um evento anual realizado pela Prefeitura de Campina Grande durante o mês de junho. Trata-se de uma tradicional festa junina. Na cultura do Nordeste brasileiro é muito típico comemorar o dia de São João através de espetáculos, danças e quadrilhas.

Antes do evento ser criado, já se dançava forró e se comemorava o São João em Campina Grande. As festas de São João, Santo Antônio e São Pedro eram comemoradas com animação entre familiares e amigos convidados para as festas particulares, em volta de grandes fogueiras. Havia dança de forró em sítios, granjas e fazendas. Outros lugares onde se costumava festejar esses dias eram no Aero-club de Campina Grande, no Clube dos Caçadores e na Juventude Franciscana, que funcionava no auditório do Convento São Francisco. Além destes, o forró pé-de-serra era dançado nos clubes Paulistano, Ipiranga, Flamengo e Forró de Alcatrão.

Mesmo nessa época, artistas famosos vinham prestigiar a cidade com suas apresentações: Jackson do Pandeiro, Genival Lacerda, Marinês e Sua Gente, Abdias do Fole de Oito Baixos, Conjunto Zé Lagoa, Antônio Barros e Ceceu, Elino Julião, João Gonçalves, Zé e Manoel Calixto. Nos bairros de Campina, havia organizações de quadrilhas em várias ruas, em participação massiva da comunidade. Alguns patrocinantes era o Café São Braz e o Café Aurora, que davam as bandeirolas e o som.

O prefeito da época, Ronaldo Cunha Lima, vendo a potencialidade das festividades juninas na cidade, resolveu concentrar as festas no centro da cidade, aumentando a participação do povo campinense. Nasce, assim, o Maior São João do Mundo.

Pirâmide faz parte da primeira parte da construção do Parque do Povo (Foto: Arquivo Pessoal/Cléa Cordeiro)

Desde a sua primeira edição, o evento é realizado no Parque do Povo, que teve a sua primeira parte construída em 1986, inclusive, com a construção da Pirâmide, símbolo máximo do local.

Por um período a pirâmide, a ‘Pirâmide’ foi chamada de forródromo e não caiu no gosto da população, acabando ficando com o nome de pirâmide mesmo. Na realidade, o responsável pela construção disse que não queria fazer uma pirâmide e sim uma fogueira mas por uma questão de acústica, o formato ficou parecido com uma pirâmide. A construção caiu na boca do povo, que batizou oficiosamente de Pirâmide do Parque do Povo.

A festa, então, se tornou um sucesso e por conta disso, no ano seguinte, o presidente da Embratur, João Dória, foi à cidade para participar do evento e em 1989 houve uma ampliação do espaço da festa, atingindo pouco mais de 42 mil metros quadrados. A partir daí, a festa foi se modernizando, ganhando as barracas e posteriormente a cidade cenográfica, atingindo assim a grandiosidade que conhecemos nos dias atuais.