Campina Grande conquista mais uma vez o Selo Unicef

Município foi o único, entre os maiores do Estado, a ser certificado, por priorizar políticas públicas para crianças e adolescentes
O município de Campina Grande foi contemplado mais uma vez com a certificação do Selo Unicef, uma iniciativa do Fundo das Nações Unidas atribuída aos municípios que estabelecem políticas públicas eficientes para o bom desenvolvimento das crianças na primeira infância, como também, políticas voltadas aos adolescentes. Dos 169 municípios paraibanos, apenas Campina Grande e outros 29 foram certificados.

De acordo com a articuladora do Selo Unicef em Campina Grande, Socorro Siqueira, a renovação do selo Unicef é resultado de um trabalho integrado com foco nas crianças e adolescentes. “Com essa certificação, Campina Grande é reconhecida nacionalmente e até internacionalmente, como município que garante políticas públicas voltadas aos direitos da criança e do adolescente. As ações são realizadas de forma intersetorial garantindo o zelo e o cuidado com os nossos meninos e meninas. Campina está de parabéns por manter o compromisso de colocar os direitos de crianças e adolescentes como prioridade na agenda”, frisou a articuladora.Para receber o Selo Unicef, os municípios participantes são avaliados quanto a 17 resultados sistêmicos, que são ações que precisam ser realizadas, e 12 indicadores de impacto social, que são resultados que precisam ser melhorados nas áreas da saúde, educação, proteção e participação social.

A conquista do Selo Unicef demonstra, mais uma vez, a prioridade da gestão municipal com políticas públicas voltadas para crianças e adolescentes. Na área da Educação, Campina Grande se comprometeu a realizar a Busca Ativa Escolar, para reduzir o número de crianças fora da escola; se comprometeu com ações para a redução da distorção idade-série; formação continuada de professores, gestores e técnicos; além de ações voltadas para os adolescentes.

Atenção: A imagem que ilustra a matéria foi feita no mês de fevereiro, antes de serem identificados casos de Covid-19 no Brasil.
Fonte: Codecom

 

Compartilhar