CAMPINA PELA VIDA: Bruno abre Fórum Permanente de discussões relacionadas à saúde mental

Prefeito reafirma prioridade da gestão a uma causa que vai se estender muito além do Setembro Amarelo no Município

Nesta quinta-feira, 16 de setembro, foi realizado o primeiro Fórum Permanente Campina Pela Vida, que vai promover discussões o ano inteiro sobre saúde mental e valorização da vida. O prefeito Bruno Cunha Lima, que prestigiou o evento, ressaltou a importância do projeto Setembro Amarelo e assegurou que o foco da gestão em relação ao desafio se mantém como uma pauta prioritária na gestão.

O evento de lançamento do Fórum fez parte da campanha Setembro Amarelo, que chama a atenção da sociedade para a necessidade do cuidado com a saúde emocional. O tema da campanha intersetorial no município este ano é Valorização da Vida, segundo ressaltou a primeira-dama Juliana Figueiredo Cunha Lima, psicóloga e coordenadora geral do projeto. 

Durante o evento, que teve um caráter informal, Bruno Cunha Lima entregou a carta de compromisso do Município para o esforço de melhorar a vida das pessoas, através do Fórum Permanente de Valorização da Vida, que terá representação efetiva de inúmeros órgãos e instituições da cidade.

Visto que saúde emocional não se resume ao Setembro Amarelo, a carta fortalece o compromisso em discutir saúde mental durante o ano inteiro, destacou a coordenadora de Saúde Mental de Campina Grande, Lívia Sales.

O evento foi aberto com a participação do tecladista Cris Lima e do cantor Augusto Arruda, recepcionando os presentes com um momento lúdico. Além de Bruno, Juliana Cunha Lima e Lívia Sales, compuseram a mesa Socorro Tavares, educadora, Josiplessis Marques, neuropsicóloga e psicóloga clínica, e Dra. Wilma Mendonza, médica psiquiátrica.

Um tema importante

“Este assunto ainda é cercado por muitos mitos e estigmas que ainda permeiam no imaginário social, as pessoas ainda associam suicídio e depressão a falta de Deus, a um ato de fraqueza, a questões religiosas e a querer chamar atenção. Então, é por isso que nós nos reunimos hoje, a gente precisa conversar para trazer informação ética, adequada e acessível para que as pessoas entendam que é possível evitar que algo trágico aconteça pedindo ajuda.” Lívia Sales, psicóloga e coordenadora de saúde mental do município.

“Mais importante que falar de suicídio é falar de vida e de proteção da vida. Nós estamos na sociedade do cansaço, da performace, do desempenho.Talvez estejamos vivendo muito de vitrine e pouco de estoque, com poucos recursos emocionais para dar conta. Estamos cansados de nos exigir, de nos cobrar. Precisamos desacelerar, repensar esse cansaço que tem provocado tanto a ansiedade e a depressão. Nós temos que buscar abrir o diálogo e não tentar ser super homem e mulher maravilha”, disse Josiplessis Marques, neuropsicóloga.

O evento foi transmitido ao vivo pelo YouTube e está disponível através do link: www.youtube.com/watch?v=veZehWhN77Y.

Compartilhar