Crianças desenvolvem atividades pedagógicas em hortas escolares da Prefeitura de Campina Grande

A farta produção de hortaliças, provenientes da horta escolar implantada pela Secretaria Municipal da Agricultura (Seagri), na Creche Walnyza Borborema Cunha Lima, localizada no bairro Acácio Figueiredo, está nutrindo de curiosidade as crianças matriculadas naquele estabelecimento. A unidade retomou suas atividades presenciais há duas semanas, depois de um longo período de interrupção por causa da pandemia do novo coronavírus.

Além de se constituírem em importante opção para a suplementação alimentar, as hortas projetadas pela Seagri, para as escolas e creches municipais, também são tidas como espaços pedagógicos-multidisciplinares. Neles, a criançada entende logo cedo a importância sobre a preservação ambiental, a não desperdiçar alimentos e a identificar o que verdadeiramente é saudável.

“Aqui as crianças aprendem tocando, fazendo, vivendo. A observação serve para ativar o sistema sensório-motor, pois, as mãos exploram, descobrem e reconhecem”, declarou a agroecóloga Andrezza Maia de Lima, coordenadora do setor de implantação de hortas escolares da Seagri e responsável pela introdução das crianças para visitação dos pomares da Creche Walnyza Cunha Lima.

Para Andrezza Maia, uma vez introduzidas nas hortas, as crianças registram pelo tato as suas impressões e, a partir daí, entendem o significado do que está sendo cultivado e colhido nesses espaços. Essa ação desperta a curiosidade, de meninos e meninas, quanto ao fato de que a natureza também é uma das principais fontes de aprendizado do ser humano.

Por causa da pandemia da covid-19, o projeto de hortas escolares sofreu alterações em seu cronograma. Mas, ainda assim foi possível manter as atividades de cultivo e produção na Creche Walnyza Cunha Lima. Apesar da interrupção das atividades presenciais de professores, técnicos e alunos, a direção do estabelecimento estava distribuindo os alimentos com as famílias das próprias crianças.

Na Creche Walnyza Cunha Lima, por exemplo, são cultivados tomate, quiabo, mamão, melão, jerimum, cenoura, batata doce alface, beterraba acerola, cebolinha e pimenta de cheiro, entre outras hortaliças.

Com a retorno das atividades presenciais nas escolas e creches do município, a Seagri, segundo a agroecóloga Andrezza Maia, vai retomar o trabalho de implantação de hortas escolares. A previsão é contemplar dez estabelecimentos, nesse primeiro momento.

O secretário da Agricultura de Campina Grande, Renato Gadelha, que juntamente com o prefeito Bruno Cunha Lima garantem total apoio ao projeto, já está agilizando a compra dos insumos necessários à implantação de hortas em escolas e creches do município.

Codecom

Compartilhar