Em evento com Michelle Bolsonaro, Juliana Cunha Lima é convidada para representar as primeiras-damas de todos os municípios brasileiros

Solenidade em Brasília, nesta quinta, marcou também o lançamento do Programa Pátria Voluntária pelo governo federal

Campina Grande foi destaque durante a comemoração do Dia Mundial das Doenças Raras, nesta quinta-feira, 25, em evento que contou com a participação da primeira-dama do Brasil, Michelle Bolsonaro. A primeira-dama Juliana Figueiredo Cunha Lima foi convidada para participar da mesa de honra, representando todos os municípios brasileiros no evento, realizado no Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos. O prefeito Bruno Cunha Lima acompanhou na plateia a solenidade, que também marcou o lançamento do Programa Pátria Voluntária.juliana-dr

A ministra Damares Alves, ao fazer a saudação a todos presentes no evento e aos internautas que acompanharam o evento pelas redes sociais, expôs a importância das políticas públicas disseminadas no Brasil em prol das pessoas com doenças raras e fez uma observação histórica relevante, ao ressaltar o convite para a psicóloga Juliana Cunha Lima participar da mesa de honra: o primeiro município no Brasil a ser visitado por Michelle Bolsonaro foi exatamente Campina Grande, em abril de 2019, exatamente pelo trabalho que vem sendo realizado pela Prefeitura em termos de assistência social e atenção a esse público especial.juliana-damares

Segundo Damares Alves, a simbologia da presença de Juliana em lugar de destaque no evento foi justamente para passar uma mensagem: através do Programa Pacto Voluntário, Michelle Bolsonaro pretende envolver todas as primeiras-damas dos municípios, assim como fez com as esposas dos governadores, para que tenham na “pauta do coração” as pessoas com doenças raras. E ainda brincou: “Pra casar com o prefeito, agora tem de amar os raros”.juliana-com-damarese-a-primeira

Durante a solenidade, foram apresentados documentários sobre o tema doenças raras. Também foi instalado o Comitê Interministerial de Doenças Raras, que será coordenado pelo Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH) e conta com representantes dos ministérios da Saúde, da Economia, da Cidadania, da Ciência, Tecnologia e Inovações, da Casa Civil, e da Educação. Foi também anunciada a inclusão do rol “doenças raras” nos canais de atendimento da Ouvidoria Nacional de Direitos Humanos, do MMFDH.

Cidade da inclusão

Ao final da solenidade, Juliana Figueiredo Cunha Lima não escondeu sua alegria e honra de ter participado, como convidada, deste momento histórico e agradeceu a Deus pela abertura de portas em favor das políticas públicas da gestão de Bruno Cunha Lima para públicos geralmente “não vistos” pelos governos, como é o caso dos autistas, dos surdos, dos mudos e das pessoas deficientes ou aquelas com doenças raras. “Fico feliz porque estamos no caminho certo para fazer de Campina Grande também referência como cidade da inclusão”, ressaltou.

Fonte: Codecom

Compartilhar