Autor: Notícias PMCG

Romero lamenta a morte em Campina Grande do ativista Silvestre Gonçalves Maia

Educador físico de 56 anos há mais de duas décadas vivia com Aids e faleceu por complicações da doença O prefeito Romero Rodrigues lamentou a morte, na manhã desta quarta-feira, 27, em Campina Grande, aos 56 anos,  do ativista na luta contra a Aids Silvestre Gonçalves Maia. Silvestre vivia com Aids há mais de 20 […]

27/05/2020 10h52 Atualizado há 3 anos

Educador físico de 56 anos há mais de duas décadas vivia com Aids e faleceu por complicações da doença

O prefeito Romero Rodrigues lamentou a morte, na manhã desta quarta-feira, 27, em Campina Grande, aos 56 anos,  do ativista na luta contra a Aids Silvestre Gonçalves Maia. Silvestre vivia com Aids há mais de 20 anos e morreu em decorrência de complicações da doença.

A equipe médica do hospital, onde estava internado desde a última semana, descartou a infeção pelo novo coronavírus. Por conta da pandemia de Covid-19, o velório e sepultamento será realizado apenas com a presença de familiares.

Romero Rodrigues destacou que Silvestre foi professor das redes estadual e municipal de Educação e coordenador de Esportes do Município Também gerenciou, de 2013 a 2019, as ações de prevenção das Infecções Sexualmente Transmissíveis da Prefeitura de Campina Grande.

Educador físico, Sivestre Maia foi um dos fundadores da Rede Nacional de Pessoas Vivendo e Convivendo com HIV e Aids – RNP+Brasil, uma organização de ativistas na luta contra a Aids que possuiu unidades em todos os estados brasileiros.

Em Campina Grande, lembra Romero, Silvestre fundou em 1999 a unidade local da RNP+. A organização não-governamental dá suporte psicológico, social e jurídico a pessoas vivendo com HIV e aids e seus familiares e disponibiliza uma casa de apoio para os pacientes em tratamento de dezenas de municípios paraibanos.

Em 2003, o trabalho desenvolvido por Silvestre Maia na reinserção de pessoas com HIV e Aids no mercado de trabalho ganhou destaque nacional e a RNP+ de Campina Grande ganhou um prêmio de R$ 65 mil da Fundação Bill Gates, que possibilitou a aquisição da sede da ONG, que funciona no bairro de São José.

Foi do ativista a ideia de criar uma cooperativa de soropositivos para trabalhar no estacionamento rotativo da cidade, Zona Azul, gerando emprego e renda para seus pares. Centenas de pessoas já participaram da iniciativa e puderam retornar ao mercado de trabalho.

O foco no trabalho para garantir a qualidade de vida e o acesso ao tratamento gratuito às pessoas vivendo com HIV e aids era apenas uma das bandeiras defendidas por Silvestre. Ele também organizou vários encontros nacionais de pessoas soropositivas para integração e troca de experiência, mas sempre tendo como objetivo a luta contra o preconceito e a discriminação. “Se antes nos escondíamos para morrer, hoje nos mostramos para viver”, dizia em todas as entrevistas e discursos, defendendo a visibilidade da luta contra a aids como forma de pressionar governos e sensibilizar a sociedade da importância da causa.

Fonte: Codecom


Ao continuar navegando no nosso portal, você concorda com a nossa Política de Privacidade. Para ter mais informações, acesse nossa página de Política de Privacidade

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support